Resenha: Blog ‘Meu celular, uma música e um livro’

Encontrei essa resenha fofíssima no blog Meu Celular, uma Música e um Livro da edição brasileira de O Cavaleiro de Bronze. Nesse post, ela fala somente do primeiro volume, aquele da capa cor de rosa. A autora prometeu publicar posteriormente sua resenha do segundo volume do primeiro livro: O Portão Dourado.

Vou postar aqui alguns trechos da resenha, para ler o texto completo, por favor visite o blog Meu Celular, uma Música e um Livro. 😉

 capa ocdb“Em O Cavaleiro de Bronze acompanhamos a vida de Tatiana Metanova na Rússia Soviética em plena Segunda Guerra Mundial.
Tatiana vive em pequeno apartamento com os pais, avós, o irmão gêmeo Pasha e a irmã mais velha Dasha.”

(…)

“Os Metanov decidem se prevenir e assim mandam Tatiana a cidade para comprar o que julgam necessário para passar bem durante alguns meses.
Foi enquanto esperava o ônibus que ela conheceu Alexander, um soldado da União Soviética.
Tatiana sente uma profunda atração por Alexander desde o momento em que coloca os olhos nele mas sua família a trata como uma criança, então ela não sabe como lhe dar com esse novo sentimento. É uma menina diante de um homem.”

(…)

“O Cavaleiro de Bronze é um livro que mexeu bastante comigo. É uma história maravilhosa que te envolve e te prende, fazendo com que sinta o drama dos personagens.
Tatiana que começa a história como uma garota tímida e inocente tem uma grande evolução que – acredito eu – não se deve apenas a guerra que a obriga a crescer e encarar uma dura realidade mas também ao fato de ser apaixonada pelo namorado da irmã, ser correspondida por ele e ainda sim ser obrigada a esconder esse sentimento de todos.”

(…)

“Eu fiquei impressionada com a generosidade da personagem. Ela é tão bondosa que realmente chega a colocar outras pessoas na frente dela própria. Vemos ela se apaixonar por Alexander e abrir mão dele pela felicidade da irmã, no auge da guerra quando quase não se tem comida ela ainda arranja do pouco que tem para dividir com a vizinha que tem o filho doente. Isso é só um pouco do que ela faz por aqueles que ama.”

(…)

“Eu não sei o que seria de Tatiana e Alexander se não tivessem um ao outro, eles são como dois pedaços de um quebra-cabeça que se completam.
Ela precisa de um suporte para conseguir atravessar o mau tempo assim como ele precisa de uma motivação para permanecer vivo na batalha, e o amor deles é esse suporte, essa motivação.”

(…)

“Também adorei o modo como a autora retrata a segunda guerra. Eu amo história e nunca me canso de saber mais sobre aqueles anos cheios de conflito, no entanto nunca tinha lido nada que me fizesse sentir como se tivesse vivenciado aquilo.”

Anúncios

“Nos veremos novamente em Lvov, meu amor e eu”

Esse é o título de uma música que é mencionada ao longo dos três livros da série The Bronze Horseman.

“We’ll meet again in Lvov, my love and I.” (Nos veremos novamente em Lvov, meu amor e eu)

É uma canção da cantora  inglesa Vera Lynn que foi muito popular no período da II Guerra Mundial, quando muitos casais foram separados pela impiedosa guerra. O título original é “We’ll Meet Again”. Na história de Tatiana e Alexander, ela se torna uma doce memória do momento em que eles se viram pela primeira vez, quando Alexander observava Tatiana tomando sorvete sentada em um banco no dia em que foi anunciado que Hitler havia declarado guerra à União Soviética.

Confiram um trecho:

“Alexander olhou para o outro lado da rua e viu uma garota sentada em um banco. A primeira coisa que ele percebeu foi uma massa de cabelos longos, loiros, claros cobrindo o rosto da garota, e a segunda coisa que ele percebeu foi seu vestido branco com rosas vermelhas. Coberta por um dossel de folhas de árvores em um verde cor de floresta, ela estava sentada no banco, como um turbilhão branco, seu cabelo dourado, seu vestido branco, suas rosas vermelho-sangue. Ela estava tomando sorvete e cantando suavemente para si mesma entre lambidas no sorvete. Alexander reconheceu a melodia. Ela estava cantando “We’ll meet again in Lvov, my love and I” – uma música popular na época. Ela conseguiu, de alguma forma, cantar, lamber o sorvete, balançar suas pernas desnudas, seus pés elegantemente calçados com sandálias vermelhas, e afastar seu cabelo do rosto. Tudo ao mesmo tempo.  Ela estava indiferente não apenas a Alexander, parado do outro lado da rua silenciosamente a observando, mas também à guerra, ao mundo e a todas as coisas que conduziam os moradores de Leningrado nesse domingo. No momento em que ela estava, ela possuía a si mesma e a seu cabelo lustroso e seu vestido magnífico e seu sorvete e sua voz suave.  Ela estava em um mundo que Alexander nunca havia visto, nadando na lua em um mar de tranquilidade. Ele não conseguia sair do lugar na calçada.”

– Tatiana & Alexander

~ Alê

Para quem gostou da canção, aqui está a letra:

We’ll Meet Again

We’ll meet again
We’ll meet again,
Don’t know where,
Don’t know when
But I know we’ll meet again some sunny day
Keep smiling through,
Just like you always do
Till the blue skies drive the dark clouds far away

So will you please say “Hello”

To the folks that I know
Tell them I won’t be long
They’ll be happy to know
That as you saw me go
I was singing this song

We’ll meet again,

Don’t know where,
Don’t know when
But I know we’ll meet again some sunny day

 We’ll meet again,

Don’t know where
Don’t know when.
But I know we’ll meet again some sunny day.
Keep smiling through
Just like you always do,
‘Til the blue skies
Drive the dark clouds far away
So will you please say”Hello”
To the folks that I know.
Tell them I won’t be long.
They’ll be happy to know
That as you saw me go,
I was singin’ this song.

We’ll meet again,

Don’t know where,
Don’t know when
But I know we’ll meet again some sunny day

O que Paullina Simons ouvia enquanto escrevia ‘The Summer Garden’?

Gosto de ler minhas histórias favoritas com uma espécie de trilha sonora a qual, de acordo com minha idéia da história e dos personagens, combine com o enredo, ajudando a criar uma atmosfera adequada e despertar sentimentos que me façam sentir dentro da história. Que me ajudem a compreender melhor os heróis e heroínas e suas alegrias, tristezas, derrotas e triunfos. Uma trilha sonora adequada faz com que a história me pareça mais real.

Esse é um hábito pessoal meu, talvez alguns de vocês se identifiquem com isso. Talvez não.

O fato é que ao longo da leitura dos três livros da saga The Bronze Horseman, ouvi repetidas vezes algumas músicas que, de acordo com meu julgamento, exprimiam os sentimentos de Tatiana e Alexander. Essas músicas ficaram em mim de tal maneira que tenho certeza que durante muito tempo, sempre que eu as ouvir, inconscientemente lembrarei de Leningrado, Lazarevo, Luga, Nova Iorque, Phoenix, etc.

Para minha grande satisfação, nossa querida autora Paullina Simons publicou hoje em seu twitter um vídeo de uma ópera à qual ela costumava escutar enquanto escrevia The Summer Garden. Poder entrar um pouco na cabeça e no coração dos autores de nossas histórias favoritas é uma forma de compreendermos melhor as motivações e anseiros de cada personagem, percebermos melhor a importância de cada acontecimento  em si.

Ei aqui o vídeo postado por Paullina Simons. Espero que gostem!

~ Alê

Vídeo: Ochi Chernye – Olhos Negros

Em algum momento durante a leitura de The Summer Garden (terceiro livro da série), você se deparou – ou irá se deparar – com uma menção a essa música popular russa chamada Ochi Chernye, que significa Olhos Negros.

Não vou explicar em que contexto a música foi colocada para não dar spoilers para aqueles que ainda não chegaram até esta parte do livro. Então – assim como tudo que é mencionado ao longo da história – fiquei com uma pontinha de curiosidade sobre a música popular russa, que até então eu só conhecia superficialmente por causa da balalaica, instrumento musical típico russo, que é destacado em um clássico da literatura russa Doutor Jivago, retratado no filme homônimo.

Sem perder um minuto, corri até o google e youtube e pesquisei o quanto pude sobre esta belíssima canção, que já foi interpretada por muitos artistas famosos na Rússia e tocada pelo Coral do Exército Vermelho. Me deparei com versões muito tocantes assim com algumas não muito interessantes, porém o que mais gostei foi da letra da música, que estou postando aqui traduzida para que vocês mergulhem um pouco mais no mundo mágico criado por Paullina Simons.

Espero que gostem!

Deixem suas opiniões nos comentários.

Eis aqui o verbete de Ochi Chernye no Wikipedia, para quem quiser saber mais sobre a música!

Transliteração em Russo

Ochi chornyye, ochi strastnyye

Ochi zhguchiye i prekrasnyye

Kak lyublyu ya vas, kak boyus’ ya vas

Znat’ uvidel vas ya v nedobryi chas

Okh nedarom vy glubiny temnei

Vizhu traur v vas po dushe moyei

Vizhu plamya v vas ya pobednoye

Sozhzheno na nyom serdtse bednoye

No ne grusten ya, ne pechalen ya

Uteshitel’na mne sud’ba moya

Vsyo chto luchshevo v zhizni Bog dal nam

V zhertvu otdal ya ognevym glazam!

Tradução para o Português

Olhos escuros, olhos apaixonados

Olhos ardentes e esplêndidos

Como eu te amo, como eu te temo

Em verdade, eu lhe avistei em um momento infeliz

Oh, não é à toa que você é mais escuro do que o abismo!

Eu vejo luto por minha alma em vós,

Eu vejo uma chama triunfante em você:

Um pobre coração imolado na mesma.

Mas não estou triste, não estou triste,

Meu destino é reconfortante para mim:

Tudo o que há de melhor na vida, Deus nos deu.

Em sacrifício voltei para os olhos ardentes!

Interpretado pela cantora  Sophie Milman

Interpretado pela cantora Yana Gray

Realizado por Shtokolov e Orquestra Sinfônica de Música Popular Russa Andreyev

Interpretada pelo Coral do Exército Vermelho Russo